quarta-feira, 6 de Março de 2013

A galaxia mais distante

O recorde de galáxia conhecida mais distante muda muitas vezes. O mais novo recorde é de UDFj-39546284, que tomou forma quando o Universo tinha apenas 380 milhões de anos. A sua idade extrema foi descoberta em 2012 usando novas observações do desde espaço pelo telecópio da NASA Hubble. A galáxia é parte de um grupo de sete, que os astrônomos analisaram, formando talvez as primeiras observações confiáveis de galáxias que se formaram 400 milhões e 600 milhões de anos após o Big Bang.

O menor sistema solar

KOI-500 tem cinco planetas. Os seus "anos" são de apenas 1, 3, 4.6, 7.1 e 9.5 dias de duração. Além disso, o somatório do tamanho dos planetas é pequeno: somente entre 1,3 e 2,6 vezes o tamanho da Terra. Tudo isto em interacção numa área 150 vezes menor do que a órbita da Terra, segundo os astrônomos.

Sistema de Planetas mais compacto

Astrônomos usando o Telescópio Espacial Kepler descobriram três planetas minúsculos a 120 anos-luz de distância da Terra. Circundando a estrela KOI-961, o menor dos três planetas é aproximadamente do tamanho de Marte, e todos são menores do que a Terra. Mesmo a estrela em si é pequena - apenas 70 por cento maior do que Júpiter. "Este é o sistema mais compacto de planetas", disse John Johnson, do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena.

O exoplaneta mais próximo da Terra

Numa surpreendente descoberta, os astrônomos descobriram um planeta que é aproximadamente do mesmo tamanho da Terra. O planeta rochoso foi encontrado em Alpha Centauri, um sistema de três estrelas, a apenas 4,3 anos-luz de nós. A vida é muito improvável neste mundo. A sua superfície rochosa pode ser líquida, uma vez que o planeta orbita a apenas 6.000 mil km da sua estrela, parecida com o Sol. A Terra, em comparação, está a 150 milhões de km, a partir do Sol. Alpha Centauri Bb, como o planeta é conhecido, foi descoberto através do rastreamento das oscilações gravitacionais em torno da sua estrela. As oscilações nestes casos são muito sutis, 1,8 quilômetros por hora. A equipa de pesquisa afirmou que esta experiência "empurrou a nossa técnologia ao limite", e alguns astrônomos estão céticos de que o planeta realmente exista. Na mesma altura, uma equipa de pesquisa diferente detectou cinco planetas que orbitam na estrela Tau Ceti, que fica a apenas 11,9 anos-luz da Terra. Um dos mundos recém-descobertos pode ser capaz de suportar vida como nós a conhecemos, dizem os cientistas.

O buraco negro mais monstroso

Provavelmente não quererás ficar muito perto do NGC 1277 ou também conhecido como o buraco negro supermassivo. Ele ocupa uma grande parte da sua própria galáxia. O buraco negro central é 17 bilhões de vezes mais massivo que o sol e representa 14 % da massa da sua galáxia hospedeira, em comparação com os 0,1% habituais. Os cientistas estavam tão desconcertados pelo tamanho do buraco negro que levou um ano extra para checar os seus cálculos antes de publicar os resultados.

quinta-feira, 8 de Março de 2012

A dedada de Deus!

Descobertas científicas revelam a identidade inconfundível do Criador! No livro "A impressão digital de Deus" Hugh Ross descreve algumas descobertas cientificas que indiciam a existência de Deus. Dr. Ross é um astrónomo, não um teólogo. Ele tem um propósito muito claro: De salientar que não há necessidade de uma guerra entre ciência e religião, muito menos uma guerra entre diferentes facções dentro do Cristianismo. Como o Dr. Ross cuidadosamente observa, não houve - como no zero - descobertas científicas dos últimos anos que não sejam consistentes com a descrição bíblica da Criação. Muito pelo contrário, todas as descobertas modernas - o Big Bang pode ser um exemplo óbvio - apontam para uma criação muito parecida com a descrita tão perfeitamente em Gênesis. Portanto, diz Ross, vamos enterrar o machado de Guerra. Vamos parar de brigar entre nós, vamos parar a briga entre cientistas e crentes, vamos parar a briga entre criacionistas da Terra Jovem e Criacionistas da Velha Terra, vamos parar as brigas entre evolucionistas e criacionistas, e para uma mudança, vamos apenas olhar para a evidência de Deus na natureza, tanto na Sua Palavra, como na Sua Criação, palavras de Ross. Uma idéia de novela, não acha? A primeira parte do livro trata da cosmologia antiga, os filósofos gregos e medievais, e do aumento da astronomia / física nos séculos 16-17. Então, Ross explica as conseqüências do deísmo de Kant, em sua visão particular do universo como incriado e infinito. A primeira parte termina com as observações recentes da física no final do século 19 (refutar a visão de Kant), e da relatividade especial e geral, com suas conseqüências teológicas, devido à singularidade (início de tempo e espaço). Ross faz um bom trabalho, mas às vezes inconsistente por exemplo, sobre a rejeição moderna de argumentos teístas: ele nunca menciona o problema real. A ascensão do nominalismo e do ceticismo) A segunda parte do livro lida com a física /cosmologias e como todas as alternativas para o Big Bang que teve de ser empiricamente rejeitada e quanto a evidência impressionante para o Big Bang acumulado. Aqui Ross está no seu melhor. Ele também aponta motivações ateias daqueles que tentaram evitar o Big Bang. A maioria delas é excelente! Ele também tem boas idéias sobre a física quântica. No entanto algumas passagens são insatisfatórias, como sua demissão simples de princípios antrópicos de Tipler ou seus argumentos contra a origem quântica do universo (a minha impressão é que ele carece de profundidade filosófica, e isso é problemático quando ele lida com o design ou a cosmologia quântica.) Os interessados na apologética terão que encontrar complementos nos escritos de William L. Craig, Chris Isham, etc A terceira e última parte com a teologia, eu achei excelente. Ross defende uma posição concordista, e também refuta tanto fundamentalismo (Criacionismo da Terra Jovem) e teologia liberal. O capítulo sobre o mal tem muitas idéias. Seu "evangelho de acordo com a criação" parece, no entanto ingénuo. É óbvio que existem muitos seres humanos em muitas culturas que nunca chegam a tais conclusões, basta pensar na natureza.

A ultima estrela a explodir!

Há quatrocentos e cinco anos atrás, uma estrela inédita apareceu de repente no céu noturno. Descoberta em 1604, era mais brilhante do que todas as outras estrelas. O astrônomo alemão Johannes Kepler estudou a estrela por um ano, e escreveu um livro sobre ela intitulado "De Stella Nova" ("A Nova Estrela"). Na década de 40 do sec. XX os cientistas perceberam que o objeto não era mais que uma estrela que explodiu, e chamaram-lhe supernova de Kepler. Nenhuma outra supernova na nossa galáxia foi descoberta então desde o evento de 1604. Os esforços combinados de três poderosos observatórios espaciais produziram uma imagem colorida de uma nuvem de gás e poeira em expansão que é um remanescente da supernova. A imagem deverá ajudar os astrônomos a compreender esses eventos violentos e enigmáticos.

quinta-feira, 1 de Março de 2012

As Sombras de Gray!

Declarações de que parece mágico ou sobrenatural Talvez devêssemos dizer que o mito é como científica - e não exatamente o conhecimento, mas - teoria. Que iria trabalhar para algum mito, como a criação do mundo para fora do Caos. No entanto, ele não vai funcionar quando examinamos as histórias sobrenaturais, que parecem desafiar o conhecimento científico. O Hercules Científico? A história de Hércules lutando com o Anteu, um gigante ctônico, é um caso no ponto. Toda vez que Hércules arremessou Antaeus para o chão, ele se tornou mais forte. Claramente, este é o que poderíamos chamar educadamente uma história de altura. Mas talvez haja lógica científica por trás dele. E se Antaeus teve algum tipo de íman (se você não gosta da idéia de um íman, você pode inventar o seu próprio cenário) que o fez mais forte a cada vez que ele atingiu a Terra e mais fraca quando realizada fora da sua fonte de energia? Hercules derrotou outro gigante, Alcyoneus, apenas por puxá-lo longe de sua origem. A força magnética da terra foi superado nestes exemplos, puxando o suficiente em qualquer direção. Poderiam outras Criaturas Míticas ter sido realidade? Para algumas pessoas, é a verdade absoluta e incontestável de que o mundo foi criado em 6 dias por um onisciente, eterno deus criador. Alguns dizem que os 6 dias é figurativa, mas concordam que Deus criou o mundo. É um princípio básico da sua religião. Outros chamam essa a história da criação de um mito. Enquanto os mitos são histórias partilhadas por um grupo que fazem parte da sua identidade cultural, não há uma definição completamente satisfatória do termo. As pessoas comparam o mito com a ciência e a religião. Normalmente, esta comparação é desfavorável e mito é relegado para a área de mentiras. Mito vem da palavra grega "mythos". O grego define "mythos", como: palavra e discurso Um sinônimo do léxico é logos. "Logos" aparece no grego para a passagem bíblica "no princípio era o verbo." Então parece haver uma conexão entre o mundo em mudança poderosa "palavra" palavra (logos) e muitas vezes criticado palavra "mito" (mythos).

O Big Bang Vs. O Mito da Criação

Quão diferentes são? Quão diferente é esta alegoria do surgimento do mundo de caos a partir do Big Bang "moderna" com seus componentes inexplicáveis​​? Para mim, a resposta é "não muito, se qualquer coisa." Caos e Ordem pode ser apenas outras palavras que descrevem o mesmo fenômeno como o "Big Bang". Em vez de uma força explosiva originário do nada, mas vindo de dentro da sopa cósmica, os gregos tinham uma espécie de sopa primordial, desorganizado e caótico, com o princípio da Ordem de repente a afirmar-se. Além disso, eu suspeito que as pessoas do mundo antigo eram tão variadas quanto são hoje, com alguns acreditando que o literal, o alegórico alguns, nunca alguma outra coisa completamente diferente, e outros, mesmo considerando o início da vida. Qual é a diferença entre mito e ciência? Como sabemos alguma coisa? Questões intimamente ligadas à natureza do mito e do existencial "que é a verdade?" e "como é que sabemos alguma coisa?" Os filósofos e outros pensadores vêm-se com afirmações como "Cogito, ergo sum" "Eu penso, logo existo", o que pode tranquilizar-nos, mas não estipulam uma realidade que é a mesma para todos nós. (Por exemplo, eu penso, logo existo, mas talvez você não acha que o seu pensamento ou talvez não conta porque você é um computador, por tudo que eu sei.) Se isto não é imediatamente óbvio, considere estas perguntas sobre a verdade: É verdade absoluta ou relativa? Se absoluta, como você definiria isso? Todos concordam com você? Se relativa, não há quem diga que a sua verdade é uma mentira? Parece justo dizer que o mito não é o mesmo que fato científico, mas o que exatamente isso significa mesmo?

Questões a considerar sobre Caos e Ordem

O que você acha que significava caos para os gregos? Você já ouviu falar da teoria do caos? Você acha que seria mais fácil de conceber o caos por meio de uma imagem? O que seria essa "ordem" primitivo? Será que os gregos pensam que essa história da criação é verdade literal? Como vão eles saber ao certo quando não estavam vivos quando a criação aconteceu? Não podemos ler as suas mentes, mas podemos fazer declarações especulativas. Talvez os gregos antigos extrapolassem a partir das suas observações e poderes de raciocínio para construir uma visão de mundo alegórico. Será que os gregos acreditam nos seus Mitos? Paul Veyne escreve: "O mito é verdadeiro, mas figurativamente por isso não é verdade histórica misturada com mentiras. É um ensino de alta filosófia que é inteiramente verdade, na condição de que, em vez de tomá-lo literalmente, vê-se nele uma alegoria."

Mitos Vs. Ciência e Religião! Quem sai a ganhar?

Quando se pensa em mitos, pode pensar-se em histórias sobre heróis que são filhos de deuses (tornando-os semideuses) quer com uma força incrível ou um deus que ajuda os semideuses em incríveis aventuras contra os males do mundo. Há, contudo, muito mais mitos do que as lendas heróicas. Os Mitos servem como explicação bem aceite pelas pessoas que compartilham o mito. Aqui estamos estamos interessados nos mitos sobre a criação. Mito da Criação, Caos, Big Bang: Qual é a diferença? Quer chamemos mito, ciência, ficção, ou Bíblia, as explicações para a origem do homem e do universo sempre foram muito populares. Mitos da Criação Você sabe como o mundo foi criado? Você estava lá para ver? Que provas você tem de que aquilo que você acredita que aconteceu realmente aconteceu? Hoje, existem duas teorias principais - o Big Bang e de um mundo que foi gerado por Deus. Talvez surpreendentemente, a antiga versão grega não se baseou num Deus mas as pessoas que escreveram sobre isso certamente não sabiam nada sobre um Big Bang. Se olharmos para um dos antigos mitos da criação gregos, o mundo era originalmente do Caos. Tal como o seu homónimo na vida cotidiana, este caos era uma não-ordenação, um-nada, não muito imaginável ​​estado, disforme. Do Caos, Ordem apareceu de repente, e de conflito entre Caos e Ordem, tudo veio à existência. Enquanto olhamos para estas palavras capitalizadas (Caos e Ordem)pensamos que representam personificações - quase deuses menores - e chamar-lhes "superstições primitivas", pode até ser injusto. Temos, na nossa vida, abundância de personificações - como governo, Estado ou grandes empresas-, e muitos de nós oferecem adoração em altares proverbiais, por isso cabe-nos a nós reservar o julgamento sobre a forma como alguém "em tempos" explicava a realidade e em termos de poderes invisíveis. Aqueles que veneram nos altares dos "resumos científicos", ainda assim usam termos para simplificar as coisas. É provável que os antigos fizessem isso também.

segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012

Matéria que anda a passear entre Universos!

A idéia de que nosso universo está incorporado num espaço multidimensional mais amplo capturou a imaginação de cientistas e da população em geral. Esta ideia não é inteiramente ficção científica! De acordo com algumas teorias, o nosso cosmos pode existir em paralelo com outros universos a várias dimensões. Os cosmólogos chamam esses universos "braneworlds". E entre as muitos perspectivas que isto traz ocorre a idéia de que as coisas do nosso universo pode de alguma forma acabam noutro. Há um par de anos atrás, Michael Sarrazin, da Universidade de Namur na Bélgica, mostrou como a matéria pode dar um "salto" na presença de grandes potenciais magnéticos, fornecendo assim uma base teórica para as anteriores suposições. Hoje, Sarrazin diz que a nossa galáxia tem capacidade para produzir um potencial magnético suficientemente grande para que isto possa ser uma realidade. Ou seja o "flash forward" da TV pode segundo Sarrazin acontecer! Se assim for, devemos ser capazes de observar a matéria a "saltar" entre universos em laboratório. Na verdade, tais observações podem já ter sido feitas em certas experiências. As experiências em questão envolvem armadilhas de neutrões "ultracold" em garrafas em lugares como o Institut Laue Langevin, em Grenoble, França, e São Petersburgo Instituto de Física Nuclear.Estes neutrões "ultracold" movem-se tão lentamente que é possível prendê-los usando "frascos" feitos de campos magnéticos, a matéria ordinária e até mesmo a gravidade. Uma forma de fazer isto é medir a rapidez com que os neutrões decaem por emissão beta. Então os físicos podem medir a velocidade com que os neutrões batem nas paredes do frasco e quão rapidamente isto acontece. Existem duas possibilidades de fazer esta medição: Através da taxa de decomposição de neutrões e da taxa à qual os neutrões escapam da garrafa. Assim, no caso de uma "garrafa ideal", a taxa de decomposição deve ser igual à taxa de decaimento beta. Mas as garrafas não são ideais e a taxa de decomposição é sempre mais rápida. Isso deixa em aberto uma outra possibilidade de trabalho: que parte da decadência extra pode ser o resultado de neutrões que saltam do nosso universo para outro. Então, Sarrazin usou as taxas de decadência medidas para estabelecer um limite superior de quantas vezes isso pode acontecer. A conclusão é que a probabilidade de um salto de neutrões é menor do que cerca de um em um milhão. Isto realmente não diz nada sobre se a troca de matéria de facto acontece. Só que se isso acontecer, isso não acontece muito frequentemente. De acordo com o trabalho teórico de Sarrazin, uma mudança no potencial gravitacional deve também influenciar a taxa de troca de matéria. Então, a idéia é realizar uma experiência de captura de neutrões que terá a duração de um ano ou mais, permitindo que a Terra complete pelo menos uma órbita do sol. Nesse tempo, as alterações potenciais gravitacionais variam de uma tal maneira que devem influenciar a taxa de troca de matéria. "Se é possível detectar tal modulação seria um forte indício de que a troca de matéria realmente ocorre", diz Sarrazin. Isso seria uma das descobertas mais importantes e controversas da física moderna e que é possível com as tecnologias disponíveis hoje. Alguém tem uma garrafa de neutrões antiga por ai um pouco de tempo livre?

terça-feira, 28 de Junho de 2011

Teorias sobre o tamanho do Universo


Como se mede o tamanho do Universo? O desafio de medir o tamanho do Universo não está na sua enormidade. Basicamente, se queres medir uma área muito grande, tudo o que precisas é uma régua muito grande!
No caso do Universo, uma das formas de medição é fornecido pela radiação cósmica de fundo em microondas (RCFM), o contador da história de vida do Big Bang! E até não existem grandes dificuldades em apanhar essas radiações. A Wilkinson Microwave Anisotropy Probe ou WMAP tem sido capaz de gerar um mapa muito detalhado do céu.
Informações do WMAP tem levado os cientistas estimar a idade do Universo em 13,7 bilhões de anos.
Isto tem levado algumas pessoas a acreditar que, uma vez que foram necessários 13,7 bilhões anos para a radiação chegar até nós, então a borda do Universo tem que estar a 13,7 bilhões de anos-luz de distância.
Contudo é importante lembrar que não só é o Universo que está em expansão, mas que a sua taxa de expansão também está a aumentar. E é aqui que as coisas complicam ainda mais... Como o Universo está em expansão em todas as direções e uma vez que nas regiões mais afastadas, as galáxias se estão afastando a taxas próximas à velocidade da luz, então provavelmente nunca receberemos os sinais vindos dessas zonas.
É esta a razão pela qual muitas vezes usamos o termo "universo observável". Simplesmente há zonas do Universo, que nós nunca poderemos observar.

segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

Teorias sobre o Universo - Teoria das Cordas


Nós vivemos num universo maravilhosamente complexo, e nós somos curiosos por natureza. Uma e outra vez perguntamo-nos por que estamos aqui? Deonde é que nós e o mundo vêm? Do que é que o mundo é feito? É nosso privilégio de viver numa época em que enormes progressos foram feitos no sentido de encontrar algumas respostas. A teoria das cordas é a mais recente tentativa de responder à grande questão.

Então, de que é que o mundo é feito? Basicamente é feito de átomos, que por sua vez são constituídos por apenas três componentes básicos: os elétrões que giram em torno de um núcleo composto de prótões e nêutrões.
O elétrão é uma partícula verdadeiramente fundamental mas prótons e nêutrons são feitos de partículas menores, conhecidas como quarks. Os quarks são, tanto quanto sabemos,o elemento verdadeiramente fundamental.

Nosso conhecimento atual sobre a composição subatômica do universo resume-se no que é conhecido como o Modelo Padrão da Física de partículas. Este modelo descreve os tijolos fundamentais em que o mundo assenta, e as forças através das quais estes tijolos interagem. Há doze tijolos básicos. Seis são quarks e os outros seis são leptons.

Há quatro forças fundamentais no universo: a gravidade, eletromagnetismo e as forças nucleares fracas e fortes. Cada uma deles é produzido por partículas fundamentais que atuam como transportadores da força.

O comportamento de todas estas partículas e forças é descrito com precisão pelo modelo referido, com uma básica exceção: a gravidade.
Por motivos técnicos, a força gravitacional, que faz cair maças das arvores, mostrou-se muito difícil de descrever microscopicamente.
Este tem sido um dos mais importantes problemas de física teórica.

Nas últimas décadas, a teoria das cordas surgiu como a mais promissora para uma teoria microscópica da gravidade.
E é infinitamente mais ambicioso do que isso: ele tenta fornecer uma descrição completa, unificada e coerente da estrutura fundamental do nosso universo. (Por esta razão é, de forma algo arrogantemente, a chamada "Teoria de Tudo").

A idéia básica por trás desta teoria é: todos os diferentes tijolos "fundamentais" das partículas do Modelo Padrão são apenas manifestações diferentes de um objeto básico: um resultado.
Como pode isso acontecer? Um ponto não pode fazer nada além de se mover. Mas, se a teoria das cordas estiver correta, então sob um microscópio potente nós aperceberemo-nos que o elétrão não é realmente um ponto, mas um pequeno laço.
O resultado pode ser algo mais que o movimento. Pode oscilar de várias maneiras. Se ele oscila de uma determinada maneira, então à distância, por incapicidade nossa diremos que é simplesmente um resultado vendo um elétrão. Mas se ela oscila de outra forma, então nós chamar-lhe-emos um fótão, ou um quark ou um caválo ou uma pessoa etc . Assim, se a teoria das cordas estiver correta, o universo inteiro é feito de cordas!


Talvez a coisa mais notável sobre a teoria das cordas é que essa idéia simplesmente funciona. É possível derivar , apartir do Modelo Padrão (que tem sido verificado experimentalmente com incrível precisão) a partir da teoria de cordas.
Mas deve-mos dizer também que, até agora, não há nenhuma evidência experimental que em si justifique mais que bons principios!
Isto deve-se principalmente ao fato de que a teoria das cordas ainda está em desenvolvimento.
Sabemos pedaços dela e estamos, portanto, incapazes de fazer previsões definitivas. Nos últimos anos, muitos desenvolvimentos interessantes aconteceram, melhorando radicalmente a nossa compreensão do que é a teoria.

Quando na China bate as asas uma borbuleta, acontece uma tempestade no Brasil!

quinta-feira, 6 de Janeiro de 2011

O Universo de Miguel 14

A distância enlouquece. O dinheiro enlouquece. O tempo passava e Miguel sentia-se velho. Os cabelos brancos apareceram. A pressão da sociedade adensava-se. A carteira estava cada vez mais pesada mas consciência cada vez mais leve. Miguel queria atingir algo, mas a verdade é que apenas se atingia a si. As dores demoravam a passar. Os tesões demoravam a vir. E Miguel divagava sobre os tempos em que tudo parecia por conquistar. Nada tinha conquistado. As suas intenções de mudar o mundo tinham-se esvanecido. Mas ao seu lado a vontade de mudar o mundo mantinha-se. Essa dicotomia remoia-lhe os miolos. O seu lado puxava para a frente enquanto ele apenas não puxava. Mas a verdade é que ele amava o seu lado.

segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

O universo de Miguel 13

Atrás de mim caminha um ser que não sei se é real. Será um duende que cresceu e se transformou num homem de negócios. Acelero o passo e sinto o coração palpitante. Começo a correr e então decido: Quero correr uma maratona. Vou começar a treinar. Organização e planeamento serão os meus trunfos. E nunca desistirei pois tenho o duende de negócios atrás de mim. Correr nunca foi problema. A principal questão é não parar. É não desistir. O corpo aguenta sempre, quem falha é a mente. O corpo como matéria que é indefenidamente divisivel em pedaços que nos fazem chegar ao fim. E até porque a maratona são só 40km. Já a mente por ser imaterial, esgotasse se não tiver preparada. Por isso vou dedicar 60% do meu treino à minha mente. Porque só assim conseguirei superar os meus limites. Basta correr. Não é nada de mais. Até porque quando chegar ao fim o homem duende já foi trabalhar. É esse o problema deles. Tem sempre que trabalhar e não conseguem acabar as maratonas. São demasiado. São só(mente).

O Universo de Miguel 12

Haverá coisa mais mal lavada que o sexo? O sexo é sujo e suja. O sexo têm líquidos viscosos e nojentos. O sexo leva-nos aos buracos mais negros do universo e liberta odores irrespiraveis. Deixa-nos deprimidos quando se vai, deixa-nos estúpidos quando se vêm. É terrível o odor emanado dos lençóis depois do sexo. São medonhos os instantes de silêncio quando ele vagueia. Entristece perante a nudez descaída e decrepita. Amolece quando a virilidade desvanece. O sexo faz-me sentir demasiado eu e pouco Miguel. O sexo enlouquece quando no meio da respiração tresandante, catapulta para a rebelião do sopé da montanha depois de uma avalanche. Transforma a rosa nos espinhos. Cria demónios e andorinhas. Metamorfisa o vermelho em laranja criando a sensação de paz erascivel e incontrolável. É por isso que vou deixar de fazer sexo e vou começar a fazer amor.

O Universo de Miguel 11

Ser realista é ser negativista. Haverá frase mais inverdadeira do que esta? Tenho poucas dúvidas. Se esta frase fosse verdadeira o Apocalipse já tinha sido hà uns tempos mas a verdade é que já lá vão alguns anos e não foi. Esta eterna discusão entre positivistas e negativistas tem vindo a pôr a nú toda a argumentação pouco assente que os negativistas têm vindo a apresentar. Se eles tivessem razão esta discussão já tinha acabado e nós tinhamos ido todos pelo cano abaixo.
O que vale ao mundo é que o negativismo dos negativistas é apenas fogo de vista. Na verdade eles apenas querem poder dizer, se as coisas realmente correrem mal, que tinham avisado. É esse o seu prazer secreto.
As mudanças no mundo só se fazem através de uma atitude positiva e descomprometida uma vez que os negativistas parecem sempre comprometidos com o diabo... A bem da verdade é preciso ver que as coisas más acontecem, mas elas só se revertem e tornam menos dolorosas com uma atitude reformadora. A propria atitude reformadora é positivista uma vez que se fosse um negativista a decidir já estava tudo destruido e não havia a minima hipotese de salvação.
Mas a dura realidade é o que?? A realidade é a bitola entre os positivistas e os negativistas. A realidade é a justiça que uma vez favorece os positivistas e outras vezes "favorece" os negativistas. Mas para os positivistas essa decisão da realidade é a melhor possivel enquanto que para os "outros" não poderia haver pior.

sexta-feira, 29 de Maio de 2009

O Universo de Miguel 10


O que mais lhe custava era esperar. E não era aquelas pequenas esperas de meia-hora. Essas ele até suportava razoávelmente. O que lhe custava mesmo era esperar pela aqueles momentos únicos em que a vida das pessoas se define. Ele já tinha tido alguns desses momentos. Na maior parte deles tinha uma estranha sensação de os ter falhado. De não ter correspondido às expectactivas que tinha em relação a si mesmo. Quantas vezes mais iria ele suportar aquela sensação? É uma misto de impotência por não poder corrigir o que passou e de falta de reflexos por não ter dito aquilo no momento exacto. Onde ele mais sentia isso era nas entrevistas para empregos que até não desejava muito, mas que sentia serem momentos em que deveria conseguir atingir determinadas notas mas que felizmente para si nunca tinha conseguido. Continuava por isso à espera. À espera daquele momento em que poderia mudar o mundo e iria conseguir. Os dias e anos passariam mas ele estaria preparado.

terça-feira, 31 de Março de 2009

O Universo de Miguel 9



O balão começava a encher. Miguel sentia que a sua hora estava a chegar. Todos os seus objectivos de poder contribuir para melhorar um bocadinho a vida de todos estavam a alinhar-se. Parecia que toda a força depressiva e agoniante que anteriormente comia o peito se tinha transformado numa energia renovadora. Desde que tinha sido visitado pelo Lucas que parecia ter havido uma grande mudança. Mais do que um simples (d)escritor ele começava a sentir-se capaz de tocar no fundo das questões. Dos seus próprios problemas mas principalmente nos dos outros. Miguel tornara-se um verdadeiro ouvido. Capaz de solucionar todas os conflitos que surgiam na vida das pessoas que o rodeavam. Sentia-se bem e isso sentia-se! Miguel despertava para um mundo em que toda a sua problematização se tornara simplificação. Mas como teria ele chegado aqui? Para Miguel tinha sido apenas uma questão de aceitação. Não de resignação mas de aceitação de que dentro da sua fragilidade de ser humano, havia uma interminavel capacidade de criar e transformar. Dantes Miguel apenas conseguia sentir-se assim através de enredos estranhos e conturbados que no final apenas conseguiam afunda-lo ainda mais. Agora não. Sentia-se livre e capaz. Será que isto duraria para sempre? Agora isso não o preocupava pois o importante era ser feliz.

quarta-feira, 9 de Janeiro de 2008

O Universo de Miguel 8


O sentido da vida.

A vida faz sentido. A vida faz sentido? A vida não faz sentido nenhum. A vida é a criação mais disfuncional que Deus algum dia poderia criar. De certeza que alguém que se supõem perfeito nunca criaria algo tão mal amanhado. Logo o mais provável é que Deus não exista pois se existisse a primeira coisa que faria seria ajeitar a vida. Pelo menos seria o que eu faria se fosse Deus. Na verdade o unico Deus que existe está dentro de nós mesmos. Nós somos o nosso próprio Deus. Que controlamos tudo. Que estamos em toda a parte dentro de nós. O problema é que Deus não é Deus. Deus é humano e faz erros. E dos grossos senão nunca criaria a vida. A vida para ser vida não teria muitas das coisas que têm. Deus se existisse seria um cão. Os cães sim tem uma vida de jeito. A vida de cão é que é vida. Por isso eu se fosse Deus queria ser cão. E andaria por ai perdido a ver quem tomava conta de mim. Seria a melhor forma de ver a boa vontade que cada pessoa tem. Mas a verdade é que ter boa vontade para um cão é bem mais fácil do que para uma pessoa. Porque as pessoas são pessoas, e os cães são cães. Os cães comem, dormem e recebem umas festinhas. Não precisam de muito mais. Enquanto que para as pessoas é preciso muito mais. Deus é um cão e anda para ai a vaguear para ver quem toma conta dele. E quem é bom para com ele é abençoado para o resto da vida. Afinal a vida faz sentido.

segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

O Universo de Miguel 7


A vida é mesmo assim, uns nascem para vir ocupar os lugares dos que morrem. A felicidade dos que nascem é a tristeza dos que morrem, na realidade nem os que nascem nem os que morrem sentem algo. Os que cá já estão, para um caso, e os que cá ficam, para o outro caso, é que sentem.
Hoje eu estou triste, morreu um dos meus exemplos de vida. Morreu de velhice, pois já tinha mais de 90 anos, mas mesmo assim dói.
É preciso perceber o mundo, como é que foi feito. Na realidade tudo acontece por ciclos. Há ciclos em que a vida é melhor, há ciclos em que a vida é pior. A própria vida é um ciclo. A nossa vida encadeia na vida dos outros e assim vêmos os outros nascer, como outros nos viram, a casar, como outros nos viram, a ter filhos, como outros nos viram, a morrer, como os que nós vimos nascer nos verão. É isto que faz de nós pessoas e provavelmente nos faz viver.
Morrer de velho deve ser um orgulho e um exemplo para os que cá ficam.
Sou o neto mais novo da eternamente minha avó que hoje padeceu. Já tenho 16 anos e alguns meses, e só agora me apercebi da morte. Nunca ninguém, tão perto de mim, tinha morrido. Só neste dia percebi o ciclo da vida. Aquele ciclo que me deu à pouco mais de um ano um sobrinho e agora neste dia, me tirou uma avó.

quinta-feira, 7 de Junho de 2007

O Universo de Miguel 6



Miguel falava consigo mesmo e dizia:
Vou tentar contar-te duas coisas. Primeira: dizer-te onde estou, segunda: como me sinto. Eu estou aqui e agora e sinto-me mal por isso. Queria estar amanha e depois de amanha e sentir-me bem.
Sinto-me sem saber qual o caminho que devo seguir. Aliás sinto que tenho dois caminhos. Um que representa o que eu “devo” fazer e outro que representa o que eu “quero” fazer. E isso afecta-me em todas as decisões que tomo na vida.
Até agora tenho seguido o caminho que “devo” seguir, mas isso deixa-me insatisfeito. Não me sinto feliz com este rumo. As vezes tenho uma vontade imensa de mudar tudo e começar a alinhar as minhas decisões por aquilo que “quero” fazer. Contudo acabo por chegar sempre a um ponto em que o que “devo” fazer toma conta e traz-me de volta ao “bom” caminho.
Mas há outras alturas em que eu estou a seguir o caminho “desalinhado” que “quero” seguir, tento ir para o “bom” caminho e não consigo.
Tenho uma sensação de que estou sempre do lado errado da situação. E o mais engraçado é que não sei como é que cheguei a esta posição tão incómoda.
Eu quero ser um líder, um avant garde, mas tenho a sensação que o mais provável é ter que me aceitar como um médio, como um normal. E isso custa-me muito.
Eu quero liderar processos, estar à frente, ter sucesso, fazer aquilo que quero fazer. Mas a única coisa que na maior parte dos casos consigo é ficar preso ao meio.
Eu uma vez escrevi que me sentia indeciso entre ser normal e ser maluco e é exactamente assim que eu me sinto. Acho que para conseguir o que quero, no futuro, tenho que ser “maluco” mas para o conseguir tenho que, no presente, ser normal.
É algo muito confuso e é isso que me complica os esquemas. É isso que me dificuldade as decisões. É isso que torna a minha vida uma quase merda se for vista de uma perspectiva futura e uma grande coisa vista do presente. Basicamente para eu ser quem eu gostava de ser estou mal, mas para quem eu vou realmente, até estou muito bem e já fiz muitas coisas.
É assim que eu me sinto e não sei como vai ser daqui para a frente.

sexta-feira, 18 de Maio de 2007

O Universo de Miguel 5


Miguel era um apaixonado. Ele dizia que tinha muito amor no coração. Uma vez, depois de uma confusão tão típica daqueles amores de juventude ele escreveu esta carta:
Fiquei a pensar no que me disseste. Foi estranho. Tive medo. Nos últimos tempos, a minha cabeça transformou-se numa corrente, forte, de pensamentos. Fizeste-me questionar tudo. Puseste-me à prova.
Às vezes a vida, como que de propósito, vira-se contra nós. A minha ofereceu-me aquilo para o qual eu tinha uma resposta preparada, há muito tempo. Uma resposta que para mim era a única certa. Quantas vezes repeti esta minha certeza! Quantas vezes critiquei, cheguei mesmo a insultar, quem não fazia aquilo que eu fazia!
Pois bem, hoje tenho vergonha de mim. Vergonha de abrir a boca. Mas não penses que estou arrependido daquilo que fiz. Estou arrependido daquilo que disse.
Deparei-me com o problema e, quase sem pensar, resolvi-o da forma com que menos concordava. Estranhamente, para mim, o Sol nasceu mais brilhante Segunda-Feira. Nem houve tempo para raciocinar (se é que sou capaz de o fazer!!) porque o meu coração tomou conta de tudo. Porque precisa de ti. Porque te ama muito. Porque nunca teve tanto medo de perder alguém que na realidade não me é nada.
Acho que também nunca tinha percebido a dimensão daquilo que sinto. É de tal maneira grandioso que me fez virar contra mim mesmo, contra a minha opinião, contra a minha razão, contra a pouca personalidade que me resta para dizer que aqui estou e que seria muito infeliz longe de ti.
Só te quero pedir que não brinques com os meus sentimentos. Eu vivo deles, são o meu alimento, são o meu dia-a-dia. E eu preservo-os muito.
Não tens que te preocupar comigo. A única coisa que te peço é que me digas o que tens a dizer. Na altura certa. Imediatamente.
Contudo esta carta nunca saiu do bloco de notas em que foi escrita, a vida continuou e com o melhor remédio é o tempo Miguel decidiu dedicar-se ao que mais gostava e a coisa passou.

segunda-feira, 14 de Maio de 2007

O Universo de Miguel 4



Mas este carácter introspectivo de Miguel era coisa que já vinha desde a sua tenra idade. Na adolescência as dúvidas sobre a infância perspectivavam o seu futuro.
A idade dos porquês é mesmo a idade dos porquês!
Já repararam na quantidade de porquês do texto de baixo?
É impressionante.
Mas porquê?
Nesta idade de descobertas tudo necessita explicação.
Porque é que tem que ser assim?
Poderia ser a idade dos ondes!
Por exemplo, nós sentimo-nos mal, tínhamos a primeira insónia e dizíamos; Onde?
Era mais interessante pois passávamos o tempo à procura de coisas mais concretas.
Sítios, e não destas explicações absurdas para coisas absurdas.
Ou em vez de onde poderia ser Quando.
Por exemplo, eu adoro aquela mulher e ela nem olha para mim, mas quando??
Era giríssimo.
Mas não tinha que ser porquê!
Porque é que ela não olha para mim?
Porque é que me dói a cabeça?
Porque é que eu não consigo dormir?
Mais valia ter tentado voltar para trás. Tanta dúvida num só espírito só pode dar desgraça. A verdade é que quem via as coisas de fora da cabeça de Miguel tudo parecia normal. Talvez ele devesse ter seguido uma carreira como actor. Contudo para ele estas dúvidas eram o seu combustível, eram a sua maneira de se manter vivo. Ele era persistente e queria resolver estas dúvidas antes de se poder dar por inútil para o mundo.

O Universo de Miguel 3



A frustração de Miguel era tanta que ele tentava alhear-se do que o rodeava. Imaginava o seu sucesso futuro, imaginava poder viajar, conhecer mais coisas, na esperança que dum momento para o outro a inspiração viesse e o levasse ao topo.
As suas fantasias eram de tal forma elaboradas que ele chegava a escrever cartas de despedida:
Adoro-vos!
Adoro-vos a todos porque vocês são as pessoas que eu amo e são com certeza as pessoas que mais gostam de mim.
Contudo parto.
Parto porque não consigo viver mais esta vida de faz de conta.
Faz de conta que está tudo bem, faz de conta que estou feliz, faz de conta que sou um cool.
Não, eu não sou um sucesso com esta vida que levo.
Não, este não é o meu sonho, e por isso parto.
Parto atrás do sonho, daquele sonho de infância que quase todos temos.
Mas que muitos não concretizam, porque nos acomodamos à vida.
A esta vida que não é a que nós queríamos.
Nós até dávamos todo o dinheiro que temos, todo o conforto para realizar esse sonho.
Mas não damos.
Temos medo de magoar os outros, aqueles que nos amam, que estão connosco.
Mas eu não, no acto mais egocêntrico que pode haver vou apenas pensar em mim.
Na minha felicidade, no meu sonho.
Parto, porque deixei de sonhar e por isso julguei-me morto.
Parto, porque num acto de reflexão me senti acumudado.
Senti-me a assentar.
Mas não é isso que toda a gente faz??
Assenta e não quer mais problemas.
Eu senti-me assentado este tempo todo.
Tinha conforto, tinha amor, nunca tive que lutar por nada.
Mas agora não.
Vou lutar por ti ó sonho.
Podes sair furado mas ainda assim não me importo porque pelo menos fizeste-me sentir ainda com garra, com vontade de mudar, de ser diferente.
E depois quando voltar já com o sonho furado espero voltar a sonhar e assim continuar a viver.
A verdade é que essa viagem nunca se chegou a realizar e talvez o sonho de Miguel tenha morrido nas suas próprias limitações.

O Universo de Miguel 2



Por vezes Miguel nos seus momentos de fraqueza e franqueza escrevia:
Se estou mal porque é que não dou a volta e fico por cima?
Será que perdi a minha gana de ser melhor ou essa vontade está apenas adormecida no sono que hoje não dormi?
Não consigo parar de não fazer nada.
É um vício que se apodera de nós e nos domina, e nos impede de reagir.
Nós sentimo-nos bem, sentimo-nos confortáveis.
Até porque há problemas maiores no mundo.
Porque é que Deus se iria preocupar comigo quando há uma guerra a decorrer, há gente a morrer à fome.
Toda a gente sabe de tudo.
Só eu é que não sei nada e continuo feliz.
Mas porque é que eu não entro em transe?
Porque é que eu não estou desperado com esta pacividade?
Porque é que eu fico aqui calmo e sereno quando o meu mundo está a desabar?
Isto é horrivel, fazer nada quando se tem tudo para fazer.
Que pacividade completa e nojenta.
Porque é que eu não sinto dor?
Não sinto medo?
Não sinto alegria?
Apenas disfarço para que os outros, sim porque são sempre os outros nunca nós, achem que sou um gajo normal, com sucesso, como se diz agora um gajo cool.
Será o nosso calculismo?
Meu Deus, é impressionante, nós queremos calcular tudo.
Dominar tudo.
Apesar de os outros reagirem como nós queremos, nós nunca reagimos como nós queremos.
O pior é quando damos por nós a pensar naquilo que deviamos ter dito e não dissemos.
É uma agonia electrizante que nos deixa numa depressão alegre e constante.
Deve ser algo parecido a ser um peixe, viver debaixo de água e pensar que se tem pulmões.
Pensamos que temos que vir à superficie respirar mas reparamos que não é preciso pois estamos bem debaixo de água.
A sua vida era tão simples de gerir que ele necessitava de criar dentro da sua própria cabeça esquemas complexos para se poder sentir vivo. A verdade é que este sedativo apenas funcionava até ele acabar de escrever os seus textos. Ele não conseguia ir mais além. Havia também momentos em que o melhor que lhe sai era isto:
Eu comecei a escrever já à algum tempo mas parava.
Contudo um certo dia surgiu a ideia de escrever um livro em que eu era mais velho e revia o que escrevi quando era mais novo.
Mas achei que era melhor escrever de outra forma.
Fazer de conta que era mais velho e escrevia sobre o que escrevia quando era mais novo.
Ai não me consigo explicar.
Hoje nao estou para aqui virado volto outro dia.
Frustrante.

O Universo de Miguel 1



Quando naquela manhã acordou, Miguel não sabia que o que tinha acabado de sonhar, seria o seu pior pesadelo.
Miguel era um jovem escritor, com talento, logo escritor é um termo que a ele se aplica erradamente.
Para se ser escritor e viver da escrita é preciso duas coisas, talento e sucesso, por isso, como ele só tinha uma das coisas, não se poderia considerar um escritor. Pronto era um escrevedor.
Miguel vivia uma eterna frustração de ser incapaz de criar algo. Ele escrevia, mas apenas escrevia sobre o que se passava à sua volta e nunca conseguira ultrapassar essa limitação.
Uma vez Miguel, num jantar em que todos os “amigos” marcaram presença, Miguel levanta-se e pede desculpa a todos por todos os comentários infelizes que causaram qualquer tipo de embaraço aos outros. E diz também não se incomoda de ouvir qualquer comentário a cerca do facto de ter um pénis pequeno. A verdade é que não era assim tão pequeno. Pelas coisas que tinha visto na Internet, estava bem na média e quem sabe um bocadinho acima.
Há dias em que nos sentimos verdadeiros montes de palha, hoje é um desses dias.
O pior é que normalmente nestes dias as outras pessoas parecem-nos todas cigarros mal apagados, preparadinhos para nos incendiar.
Nós gritamos, resmunga-mos, para que não nos atirem aquele cigarro mortal, mas na realidade o que mais queremos é incendiarmo-nos e desaparecer.
Passar a pertencer ao mundo dos eternos, passar a cinza, porque a cinza é eterna.
Apesar de nos parecer que a cinza desaparece num instante, isso não é verdade.
A cinza apenas se transforma e não se transforma em qualquer coisa.
Transforma-se em vida.
Depois de voar, depois de conhecer o mundo, deposita-se nos campos e vai ajudar as plantas a crescer.
Há mesmo quem escolha a cinza como ultimo estado de vida, ou de morte, ou de morte viva.
Eu não, eu não quero ser cinza, sou demasiado egoista para isso e prefiro ficar aqui no meu sitinho, para que os outros me possam vir adorar.
É tão bom estar aqui deitadinho a ver os outros dizer que gostam muito de nós sem nunca nos terem realmente conhecido.
E ouvir dizer que nos amam, quando olham para um montinho de terra ou uma pedra de granito, talhada pelo senhor pedreiro que com a morte faz vida e com a morte se torna cinza.
Para Miguel este era um desses dias.

Teorias sobre o Universo



Como é dito na Teoria dos Paralelos existem várias formas de analisar o Universo. Ao longo do tempo, com os avanços tecnológicos, algumas destas teorias foram caindo por terra. Algumas delas foram genéricamente aceites durante milhares de anos. A seguir apresentamos algumas das teórias que foram aceites ao longo da história, mas que com o tempo perderam apoiantes.

Pré-Socráticos sec. 6 e 5 a.C.

Os primeiros filosofos da Grécia tentaram elaborar várias explicações para o espaço. Para eles, o Anaximandro (espaço) surgira da água e os humanos descendiam dos peixes. O nosso planeta seria um disco achatado e flutuante circundado por tubos de névoa luminosa, com um circulo de fogo por fora (o sol).

Modelo Geocêntrico sec. 4 a.C.

Aperfeiçoando algumas ideias de Pitágoras, Eudoxo de Cnido Criou um modelo geocêntrico do Universo. A Terra era o centro do Universo e tudo existente nele girava em torno dela. Aristóteles era um dos que morreu a acreditar nesta teoria.

Modelo Heliocêntrico sec. 16 d.C.

Copérnico, 2000 anos depois, baseado no Modelo Geocêntrico, sugeriu que o centro do Universo seria o Sol e não a Terra. Mais tarde Giordano Bruno acrescentou que o Universo não tinha limites (tendo sido morto por isso!!). Ainda mais tarde Galileu apoiante da teoria de Copérnico, livrou-se da morte quando negou este seu apoio.

Teoria do Big Bang sec. 20 d.C.

Baseando-se na teoria da relatividade, Lemaitre e Friedman propuseram o modelo finito do Universo, com constante expansão desde o inicio do tempo. Tudo teria começado com a explosão de um unico atomo onde estava concentrada toda a matéria e energia existente.
Hoyle tentou ridicularizar esta teoria chamando-a de "grande estouro" (big bang). Este termo teve tanto sucesso que se tornou o nome da teoria.

Teoria dos Multiuniversos sec. 20 d.C.

Os problemas deixados pela teoria do Big Bang tentam ser explicados por esta teoria(e pela minha!!). Esses problemas são: O que existia antes do Big Bang e o que há fora do Universo.
Os defensores desta teoria afirmam que existem muitos Universos, espalhados pelo espaço infinito. Uns estão a nascer (Big bangs) e outros a morrer (Big Crunchs).
Nestes Universos as leis da fisica podem ser totalmente diferentes das nossas dizem eles.

Teoria Ecpirótica sec. 21 d.C.

Esta teoria diz que tudo surgiu do choque de duas "menbranas cosmicas" numa quarta dimensão do espaço. O choque teria sido perceptivel para nós como Big Bang.

Teoria dos Paralelos



N. G. R.

Resumo

Este artigo pretende verificar a existência de paralelos inequívocos entre varias teorias que tentam explicar o universo. Pretende também criar uma nova teoria que enquadre essas diferentes formas de ver o universo, assim como criar bases que sustentem essa nova visão.

Palavras-chave: universo, ciência, religião, sorte, tempo, espaço, índice de agregação, matéria, Big Bang.

O Homem



Introdução

Existe no Homem uma vontade intrínseca de perceber tudo o que o rodeia. A sua volta o homem tem outros homens que vivem num planeta, esse planeta pertence a um sistema que por sua vez pertence a uma galáxia que juntamente com outras galáxias formam o universo.
O funcionamento das relações entre os homens faz parte da sociologia, a interacção do homem com o seu planeta depende não só da física e da biologia, mas também da ecologia e outras ciências emergentes. A relação do planeta com a sua estrela, dentro de um sistema, ocorre dentro do campo da astronomia, assim como os equilíbrios entre os sistemas e galáxias.
Mas o importante, para este artigo, é analisar a forma como o homem se liga com o universo, como é que o Homem vê o universo?

Religião/Ciência



Como é que o Homem interpreta o universo?

Ao longo dos tempos o homem, para explicar o que o rodeia, criou inúmeras teorias. Umas mais recentes que outras, algumas mais ficcionais, outras mais sustentadas, mas todas com alguma questão, por mais pequeno que seja, por explicar.
Duas das teorias com maior expansão e “aceitação” são a religião e a ciência. Estamos neste caso a falar em especial do cristianismo, é para mim aquela sobre a qual tenho melhor conhecimento, mas poderíamos estar a falar de outra qualquer religião, uma vez que no meu entender as situações interpretadas são as mesmas apenas variando os intérpretes. Quanto a ciência, trata-se da teoria mais aceite pela sociedade ocidental.

Paralelos



Mas quais são os paralelos entre estas das visões?

A religião analisa todos os factos, interpreta-os a sua maneira mas convenha-mos que para uma mente mais atenta são claras algumas incoerências e faltas de lógica.
A ciência vê claramente os factos, interpreta-os, consegue arranjar demonstrações claras que justificam essa interpretação mas esbarra nos momentos em que as demonstrações se tornam impossíveis, e por vezes tira conclusões que com os dados presentes são demonstráveis mas que com o aparecimento de novos elementos, essas conclusões revelam-se frágeis. Um dos momentos em que as demonstrações ficam difíceis para a ciência é Big Bang.
Mas estas duas teorias apresentam semelhanças que me parecem evidentes.

ReligiãoCiência
Deus Tempo – Espaço
Criação Big Bang
Adão e Eva Teoria da Evolução das espécies
Jesus Cristo Homem

Actualidade Actualidade

Quais paralelos?



Os factos e intérpretes apresentados como paralelos não são necessariamente contemporâneos mas tem, para mim, papéis e significados semelhantes no contexto das teorias respectivas.

Jesus Cristo/Homem – os acontecimentos/personagens que precedem o “aparecimento” destes dois elementos só são justificáveis pela finalidade a atingir (a ocorrência destes dois “aparecimentos” ou seja não haveria necessidade da Criação/Big Bang se não fosse para justificar a existência Jesus Cristo/Homem)
Adão e Eva/Teoria da Evolução das espécies (TEE) – se a Teoria da Evolução das espécies fosse usada pela religião, Adão e Eva eram os Homo Erectus de Jesus Cristo.
Criação/Big Bang – se os fenómenos Criação/Big Bang não tivessem acontecido tudo o resto nem História seria. É neles que as teorias de baseiam para começar.
Deus/Tempo-Espaço – Deus, pelas suas características, justifica tudo o que se segue. Quanto ao Tempo-Espaço, há quem diga que resultam de vários universos, ou que apareceram com o Big Bang. Mas a grande semelhança entre estes dois elementos está nas suas características. Deus, entidade super poderosa e omnipresente, Tempo-Espaço, elemento independente de tudo o resto e que sustentam leis físicas que justificam todos os acontecimentos procedentes.

Universo



Mas o que existia antes de Deus/Tempo Espaço?

A religião justifica a existência de Deus por si só. Pelas suas características, e por isso as pessoas que aceitam esta forma de ver a realidade como a correcta, nem se questionam sobre o que haveria antes de Deus. Esta teoria apresenta-se como lógica se atendermos ao princípio da justificação dos factos, que neste caso estão claros a partida pelas características da figura base em que se assenta esta teoria. Assim se justifica o enorme sucesso desta e de outras teorias que se baseiam na imagem de um Deus, com todas as características que lhe são atribuídas. Mas para alguns esta forma de ver as coisas não é satisfatória.A ciência ainda não consegue com clareza justificar o que se passou antes do Bis Bane por isso a existência do Tempo/Espaço é apenas assumido como um paralelo para Deus, e assim poder desenvolver esta nova visão.Estando o Big Ban e a TEE justificados por leis físicas e biológicas e sabendo-se do senso comum que existindo matéria (espaço) existe tempo sobra uma questão.

Tempo Espaço



Será que existe tempo não existindo espaço?

Que o espaço é influenciado pelo tempo ninguém parece duvidar pois tempos diferentes referem-se a espaços diferentes. Isto parece justificar-se pelo facto de o espaço ser matéria. A matéria e o seu comportamento é regido por leis que são dependentes do tempo, logo a matéria é afectada pelo tempo logo o espaço é afectado pelo tempo. O que não está provado é que o tempo é afectado pelo espaço mas apenas pela velocidade que este terá. Mas isto é na perspectiva humana. Ou seja, dependendo da velocidade que uma certa parte de matéria (espaço) tiver, a perspectiva humana do tempo será diferente. O tempo é relativo em relação ao homem, na perspectiva do homem, mas não em relação a si mesmo. Senão vejamos, o tempo, em relação a si mesmo, é independente do lugar onde "existe".

A
B
C

Em C existe um homem, em A e B não. Na perspectiva do tempo, enquanto entidade independente, o tempo é igual nos três pontos, contudo para o homem que se encontra em C ele é relativo uma vez que a sua posição poderia ser outra assim como a sua velocidade. Por isso para a "contabilidade geral" do tempo é indiferente que o homem esteja em A, B ou C ou que a sua velocidade seja 1km/h ou seja a velocidade da luz. O que parece permitir concluir que o tempo em si é independente de tudo. Ou seja o conceito Espaço/tempo parece estar errado uma vez que o tempo é independente do espaço.

Filosofia



Hipótese para comprovar esta afirmação

Barbaridade 1

A visão religiosa e "humanizada" da evolução, a historia do Adão e da Eva, esta comprovada que é puramente ficcional, mas a base que esta por trás dela é perfeitamente aceitável uma vez que ainda não se arranjou justificação melhor. Não lhe chamando Deus, existe com certeza algo que rege todas as alterações inesperadas que nos acontecem. Uns chamam-lhe sorte, outros azar, outros Deus, outros Diabo, outros Tempo. Para mim parece-me que todos estes conceitos pretendem definir a mesma entidade, sendo todos os outros factos da vida regidos tal como a ciência os descreve.Compete-nos a nós descobrir qual é essa "entidade" correndo o risco de depois perdermos a vontade de viver.
Parece-me que a teoria que explica toda a realidade será um equilíbrio entre Religião e Ciência, tentando retirar de cada uma delas os conceitos, mesmo que não seja com a mesma nomenclatura, que melhor se adaptam, sendo uma parte explicável por uma entidade ainda desconhecida e tudo o resto da forma que a Ciência explica.
Isto parece justificável se pensarmos na independência do tempo em relação ao espaço e na possibilidade de ser o tempo infinito e não o espaço, existindo depois algo que rege essa inteiração e todos os parâmetros da vida. Os previsíveis e os imprevisíveis.

Mais Filosofia




Como justificar que o espaço (matéria) é finito

Descobrindo a unidade base de espaço (matéria) seria possível calcular o limite (baseado em leis físicas) para o tamanho máximo do espaço (matéria). Ao saber o mínimo (unidade base de espaço/matéria) saber-se-á qual a dimensão máxima que o universo pode atingir e assim saber os seus limites, isto pensando que essa unidade terá um limite de agregação. Se por possível identificar essa unidade base e o seu índice de agregação será possível verificar se existe tempo não existindo espaço. E se isso se verificar, fica evidente que terá que haver algo que coordene essa área de não espaço.

Limite máximo do Universo



b
Ca x a = Lu

Lu - Limite máximo do Universo
a - Dimensões mínimas da partícula base que compõem o espaço
Ca - Índice de agregação dessa partícula
b - Expoente justificado pelo maior grau de importância que o dito índice terá no limite máximo do Universo

Matéria


COMO SE JUSTIFICA O APARECIMENTO DA MATÉRIA

Inicialmente existiria tempo e forças livres no vazio, e por interacção dessas forças de uma forma específica originou matéria, o que levou a essa interacção é justificado por essa entidade ainda não identificada. Depois disso acontecer tudo se desenvolve por normal seguimento do tempo.

Conclusão


Esta não é uma teoria satisfatória pois ainda deixa muitas questões por responder, mas permite integrar de uma forma lisonjeira duas teorias que muitas vezes entram em conflito por não haver capacidade de admitir que os outros também podem ter razão. A vida deve ser regida por equilíbrios e deve ser assim desde os primórdios do Universo.